Os 10 animais mais incríveis da Amazônia

Nós brasileiros, devemos ter orgulho de ter esta floresta com tanta beleza em seu território. Confira a lista dos 10 animais mais incríveis da Amazônia.

Por Cássio Coelho

Sendo a maior floresta tropical do mundo, a Amazônia é famosa por sua biodiversidade. O clima quente e uma variedade de ecossistemas disponíveis contribuíram para a abundância de vida selvagem aqui. Dos predadores mais perigosos do mundo às aves mais exóticas, a Amazônia atrai viajantes de aventura e amantes de animais de todo o mundo. Abaixo, confira a lista dos 10 animais mais incríveis da Amazônia.

Os 10 animais mais incríveis da Amazônia

Neste artigo, apresentamos algumas das criaturas mais interessantes da floresta tropical, para que você dê uma espiada na rica fauna da Amazônia. A boa notícia é que a maioria desses animais (exceto quando especificado em contrário) pode ser encontrada nos países mais populosos da bacia amazônica: Brasil, Peru e Equador.

Arara-azul

arara-azul

As araras são os maiores papagaios do mundo, e a arara-azul é a maior de todas as araras. Esse papagaio de cauda longa normalmente cresce a 1 metro da cabeça à cauda, ​​com uma envergadura de asa próxima a 1,5 metro. Sua nobre plumagem azul-cobalto os torna fáceis de distinguir das outras araras.

Esses pássaros inteligentes enchem o dossel da floresta amazônica com uma variedade de sons. Eles se comunicam amplamente para marcar seu território e anunciar sua presença ao seu rebanho. A arara também tem uma capacidade superior de imitar a fala humana, incluindo o uso correto de palavras e a criação de expressões criativas.

Você sabia? Um estudo até descobriu que as araras podem falar mais de 6.000 variações de expressões!

Como pássaros monogâmicos, as araras normalmente acasalam por toda a vida. Alguns dos alimentos favoritos das araras são venenosos, mas felizmente eles desenvolveram imunidade para a maioria deles. Para neutralizar as toxinas em seus alimentos, as araras comem argila de barro ao longo das margens do rio.

Algumas lambidas de argila, especialmente as de Tambopata, Peru, reúnem até centenas de araras diariamente, o que é um espetáculo a não perder! Embora a arara tenha se tornado imune a algumas das toxinas mais perigosas do mundo, os alimentos aparentemente inofensivos como cerejas, abacates ou chocolate ainda são venenosos para eles.

As maiores populações de arara-azul vivem nas três principais localidades do Brasil: a região do Pantanal, a região do Cerrado e a Bacia Amazônica. Em populações menores, elas também podem ser encontradas em toda a Amazônia.

Jaguar

onça pintada

Nenhuma viagem à Amazônia é completa sem vislumbrar a majestosa onça-pintada, o rei da floresta tropical! A onça-pintada é o maior felino das Américas e o terceiro maior felino do mundo, depois do tigre e do leão.

Eles geralmente crescem até 1,7 m, sem contar suas caudas enormes, que crescem até 80 centímetros. As onças-pintadas são conhecidas por suas manchas em forma de rosa (muitas vezes chamadas de 'rosetas'), que diferentemente das manchas dos leopardos são totalmente coloridas.

‘Onça-pintada' significa 'aquele que mata com um salto', que caracteriza perfeitamente esses temíveis predadores. De todos os gatos selvagens, as onças-pintadas têm a mandíbula mais forte, o que lhes permite morder facilmente as espessas peles dos crocodilianos e as conchas duras das tartarugas. Com uma abundância de presas, elas caçam e comem qualquer coisa, de sapos e peixes a vacas e veados.

As onças-pintadas podem ser vistas na maioria dos países da bacia amazônica, excluindo El Salvador e Uruguai. Devido à caça furtiva, desmatamento e perda de habitat, as onças-pintadas são consideradas quase ameaçadas.

Boto Rosa

Boto Rosa

Esses golfinhos são endêmicos da floresta amazônica. Eles são os maiores entre as espécies de água doce, normalmente medindo até 2,7 metros de comprimento e pesando cerca de 181 kg. Os Botos também têm cérebros notavelmente grandes, com 40% mais capacidade cerebral do que os cérebros humanos.

Essas criaturas são conhecidas por sua cor rosa e possuem uma variedade de tons. Eles nascem cinzentos e lentamente ficam rosados ​​à medida que crescem. Os indivíduos adultos podem aparecer em qualquer tom, principalmente do cinza, com manchas rosadas esparsas, até o rosa intenso e quase flamingo.

Os golfinhos machos geralmente são maiores e mais rosados ​​que as fêmeas, o que pode ser explicado por seu temperamento beligerante. Eles tendem a se envolver em brigas e muitas vezes se machucam; portanto, sua pele cinza é quase totalmente substituída por tecido cicatricial rosa. Quando essas criaturas do rio ficam excitadas, elas tendem a corar quase como seres humanos, ficando rosa-brilhante.

Ainda mais extraordinariamente, esses cetáceos podem virar a cabeça 180 graus. Isso permite que eles manobrem facilmente em torno de troncos de árvores, pedras e outros objetos grandes encontrados nos rios.

Ao explorar as águas da Amazônia, você terá uma oportunidade única de observar essas criaturas em seu habitat. Eles são amigáveis, brincalhões e costumam se envolver com canoas que nadam perto deles. Botos são relativamente abundantes, mas em algumas áreas são classificados como vulneráveis devido às barragens que ameaçam sua população e à contaminação de rios e lagos.

Anta

Anta

A anta é como um porco com uma tromba curta, semelhante a um elefante. Surpreendentemente, apesar de sua aparência, seus parentes mais próximos são cavalos e rinocerontes, e não porcos.

Os gritos da anta que se assemelham aos troncos de elefante permitem que elas agarrem facilmente folhas saborosas ou comam frutas. Ao nadar, elas podem até enfiar o focinho na água e usá-lo como snorkel (tubo para mergulho).

Pode-se notar que as antas costumam fazer caretas, curvando os lábios e levantando o focinho. Dessa forma, elas estão usando sua 'superpotência', um senso poderoso em algum lugar entre o paladar e o olfato que lhes permite detectar facilmente possíveis ameaças.

As antas são cruciais para o ecossistema da Amazônia. Elas comem uma variedade de plantas e frutas, cujas sementes sobrevivem através de seus sistemas digestivos. Enquanto andam pela floresta, espalham as sementes de várias plantas para novos locais. Pesquisas descobriram que as fezes de anta podem conter até 122 espécies de plantas!

Infelizmente, hoje a maioria das espécies de anta é classificada como ameaçada de extinção ou vulnerável.

Macaco Uacari careca de rosto vermelho

Os 10 animais mais incríveis da Amazônia

O macaco Uacari careca de rosto vermelho também encontra-se nas florestas tropicais da Amazônia. Este macaco raro é fácil de reconhecer devido à cabeça careca e ao rosto rosado. Seu rosto brilhante serve como um sinal de que o macaco está saudável e disposto para acasalar quando os macacos doentes empalidecem.

Esses primatas são tipicamente pequenos, variando de 36 a 57 centímetros de comprimento e de 2 a 3,5 kg. Os Uacaris têm pelagem longa e peluda e apresentam uma variedade de cores, do marrom e vermelho ao branco ou preto.

Os Uacaris são classificados como quase ameaçados devido à destruição de seu habitat, caça e comércio de animais de estimação. Como as fêmeas Uacari só podem dar à luz uma única criança a cada dois anos e sua idade reprodutiva é curta, a população desses primatas não pode aumentar rapidamente. O Uacari careca é nativo da Amazônia Ocidental, residente nos países do Peru e Brasil.

Jacaré caimão da Amazônia

Os 10 animais mais incríveis da Amazônia

O caimão preto da Amazônia normalmente cresce até 4 metros e 362 kg, o que os torna o maior entre seus primos caimões e o maior de todos os jacarés.

Esses predadores são semi-aquáticos, vivendo dentro e fora da água, mas o último é definitivamente o ambiente preferido. Como nadadores hábeis, eles usam suas caudas fortes para impulsionar na água, sem a necessidade de envolver as pernas. Isso lhes permite atingir uma velocidade de cerca de 50 km/h.

Os jacarés têm corpos potentes cobertos com escamas duras, semelhantes a armaduras. Seu tamanho maciço, combinado com um excelente senso de audição e visão, os tornam um predador de ponta, o topo da cadeia alimentar da Amazônia.

Enquanto as espécies menores de jacarés alimentam peixes ou pássaros, o jacaré-preto caça apenas presas grandes, como javalis, lontras, tatus, cavalos, veados ou até onças-pintadas. Dito isto, esses predadores são uma espécie fundamental, um tipo de espécie crucial para manter a estrutura da comunidade ecológica da Amazônia. Eles preservam o equilíbrio, diminuindo as populações de animais que destroem as culturas e atacam o gado.

Aqui está um fato peculiar sobre os jacarés eles são incrivelmente férteis e desenvolveram rotinas eficientes para proteger seus filhotes. Suas fêmeas podem colocar até 65 ovos por vez. Esses répteis inteligentes sabem que temperaturas mais altas em seus ninhos produzem fêmeas, enquanto que os mais frios produzem machos. É por isso que eles costumam fazer ninhos em camadas para garantir uma distribuição uniforme de gênero.

Além disso, embora os jacarés sejam tipicamente "lobos solitários" e só se reúnam durante a estação do acasalamento, eles podem cuidar dos bebês de outro jacaré, caso isso ocorra.

Embora estivessem perto da extinção nos anos 70, hoje essas espécies são classificadas como dependentes de conversação principalmente devido à perda de habitat e caça furtiva.

O mico-leão-dourado (Sagüi de ouro)

Os 10 animais mais incríveis da Amazônia

O mico-leão-dourado é um pequeno macaco coberto de pelo que varia de cor amarelo-dourado a vermelho-laranja. Suas crinas fofas emolduram seus rostos sem pelos e os fazem parecer semelhantes aos leões.

Esses primatas podem atingir cerca de 25 cm de comprimento e 11 kg de peso. Eles vivem em grupos de 2 a 8 indivíduos que tipicamente têm um casal que é dominante no grupo. Quando o casal tem um bebê, a vida do grupo se concentra no recém-nascido.

Saguis dourados vivem em árvores. Um grupo normalmente ocupa o território de cerca de 400 hectares. Eles usam vários sinais, como cheiros e músicas, para espantar os intrusos em seu território.

Durante o dia, eles pulam de galho em galho procurando comida. Apesar da aparência fofa, como onívoros, eles não limitam sua nutrição às plantas, mas também podem atacar anfíbios, répteis e pássaros.

À noite, eles dormem nos buracos das árvores ou nas videiras densas. Curiosamente, eles nunca dormem no mesmo lugar que os protege da sobreposição com outros grupos de mico (como mencionado, os grupos de mico são altamente territoriais).

Os saguis dourados mantêm seus laços através da higiene e da partilha de alimentos. Os membros do grupo mais velho normalmente compartilham seus suprimentos com os membros mais jovens, oferecendo uma mordida ou deixando a comida ser roubada (isso é chamado de compartilhamento passivo).

Sua população foi preservada principalmente devido à criação em cativeiro em zoológicos e à reintrodução em seu habitat nativo.

O mico-leão-dourado é endêmico da costa atlântica do Brasil e pode ser encontrado nas seguintes áreas: Reserva Biológica Poço das Antas, Reserva Biológica Fazenda União.

Anaconda Verde

Os 10 animais mais incríveis da Amazônia

Graças ao seu físico impressionante, a Anaconda Verde é a cobra mais maciça da Terra. Anacondas grandes geralmente pesam até 90 kg.

Quando caçam uma refeição menor, esses predadores maciços comem até 40 quilos de comida por dia e geralmente caçam peixes, tartarugas, jacarés, capivaras, porcos, onças ou veados. Em raras ocasiões, eles podem se envolver em canibalismo. Uma refeição grande pode mantê-los cheios por algumas semanas, durante as quais não caçarão.

Apesar dos mitos comuns da cultura de massa e, embora possuam habilidades físicas para fazê-lo, não há evidências verificadas de anaconda comendo um humano. Embora esses predadores possam facilmente caçar presas com mais de 54 quilos de peso, as sucuris antropófagas podem ser consideradas um mito.

Atualmente, as sucuris não estão ameaçadas e não têm status especial, apesar de enfrentarem uma ameaça devido à perda de habitat e caça furtiva.

Piranha

Os 10 animais mais incríveis da Amazônia

A palavra 'piranha' se traduz como 'peixe-dente' no idioma tupi do Brasil. Este feroz peixe de água doce é conhecido por seus dentes afiados e mordida implacável. Semelhante aos tubarões, o formato dos dentes é semelhante ao formato de uma lâmina.

A maior das espécies modernas de piranha, a piranha negra, pode morder com uma força máxima de 32 kg, que é três vezes o seu próprio peso corporal. Apesar do tamanho pequeno (43 centímetros), sua mandíbula é poderosa o suficiente para esmagar uma mão humana em apenas 5 a 10 segundos. Não se preocupe, piranha não é conhecida por morder seres humanos.

Hoje, existem mais de 60 espécies conhecidas de piranhas que têm várias cores, incluindo amarelo, cinza, azulado a parcialmente vermelho a quase preto. As piranhas de barriga preta e vermelha são consideradas as mais perigosas e agressivas.

As piranhas costumam comer caracóis, peixes, animais aquáticos e várias plantas e frutas. Apesar de sua reputação sombria, algumas piranhas são herbívoros. Dito isto, sabe-se que muitas espécies de piranhas ocasionalmente canibalizam as suas. Há também casos de piranhas devorando capivaras ou outros mamíferos de grande porte, mas apenas se a presa já estiver morta ou morrendo.

Se você ouvir latidos de 'cachorros' enquanto explora a Amazônia, isso pode ser um sinal de que há piranhas por perto. Sabe-se que as piranhas de barriga vermelha produzem três tipos distintos de sons de casca, cada um com seu próprio significado.

Hoje, as piranhas habitam as águas doces da América do Sul, desde a bacia do rio Ori noco, na Venezuela, até o rio Paraná, na Argentina.

Preguiça

Os 10 animais mais incríveis da Amazônia

Esses animais fofos e peludos geralmente são encontrados pendurados em árvores. Embora muitas vezes sejam consideradas lentas ou preguiçosas (até o nome delas é traduzido como 'preguiçoso'), as preguiças realmente têm muitas 'superpotências' impressionantes.

Como as preguiças estão neste planeta há cerca de 64 milhões de anos, sua lentidão se desenvolveu como um mecanismo de sobrevivência. Comparando com outros mamíferos, elas têm uma capacidade reduzida de regular a temperatura do corpo. Movendo-se em um ritmo lento, elas podem queimar menos energia e evitar superaquecimento. Como bônus, elas podem consumir menos plantas que outros herbívoros.

A impressionante biologia das preguiças permite que elas passem 90% de sua vida de cabeça para baixo. Elas podem respirar livremente quando ficam penduradas enquanto seus órgãos estão presos à caixa torácica e não sobrecarregam os pulmões.

Preguiças também são nadadoras superiores. Movendo-se até três vezes mais rápido quando nadam, elas também podem prender a respiração por 40 minutos e ajustar a frequência cardíaca em um terço da velocidade normal.

Finalmente, as preguiças são capazes de virar a cabeça em um eixo de 270°, obtendo uma visão de quase 360 ​° do ambiente. Infelizmente, algumas espécies de preguiças são classificadas como vulneráveis e outras estão em perigo.

Cuidado: as selfies de preguiça são populares entre os turistas, mas a maioria das pessoas não sabe que esses animais em cativeiro são frequentemente maltratados. Quando não são usadas para fotos, elas podem ser deixadas amarradas no chão, o que as torna vulneráveis ​​e estressadas.

Também é muito estressante para elas serem mantidas por seres humanos ou apenas por seus braços (uma posição popular para uma foto). A melhor coisa que você pode fazer é não participar de tais atividades e tirar fotos dessas criaturas maravilhosas em seu habitat natural.

Mais sobre
Comentários
Minha foto
    Siga nossas redes sociais