As 10 piores pandemias da história da humanidade

A humanidade já sofreu por diversas vezes com doenças que assolaram e levaram a vida de muitas pessoas. Aqui nós reunimos os 10 maiores registros de pandemias da história da humanidade.

Por Cássio Coelho

Os cientistas e pesquisadores estudam a anos a definição exata de uma pandemia. Porém, a palavra significa uma ocorrência generalizada de uma doença, podendo ser em um continente ou mundialmente. Atualmente, vemos o caso do Coronavírus, que está assustando à todos no Brasil e fazendo milhares de vítimas pelo mundo. Mas nós, humanos, já passamos por momentos piores. Confira as 10 piores pandemias da história do mundo.

As 10 piores pandemias da história da humanidade

A cólera, a peste bubônica, a varíola e a gripe são alguns dos maiores vilões da história da humanidade. E os surtos dessas doenças que atravessam fronteiras internacionais são definidos adequadamente como pandemia, especialmente a varíola, que ao longo da história matou entre 300-500 milhões de pessoas em seus 12.000 anos de existência.

O mais recente surto do vírus Ebola, que matou milhares de pessoas, ainda está confinado à África Ocidental. Um dia pode ser uma pandemia, mas, por enquanto, é considerada uma epidemia - e, portanto, não está incluída nesta lista.

Praga de Antonino (165 DC)

  • Número de mortes: 5 milhões
  • Causa: Desconhecida

Também conhecida como Praga de Galeno, a Praga de Antonina era uma antiga pandemia que afetou a Ásia Menor, o Egito, a Grécia e a Itália e acredita-se que tenha sido por varíola ou sarampo, embora a verdadeira causa ainda seja desconhecida. Essa doença foi trazida de volta a Roma pelos soldados que retornavam da Mesopotâmia por volta de 165 DC. Sem saber, eles espalharam uma doença que acabaria matando mais de 5 milhões de pessoas e dizimando o exército romano.

Praga de Justiniano (541-542)

  • Número de mortos : 25 milhões
  • Causa: Peste bubônica

Provavelmente essa peste pode ter matado talvez metade da população da Europa, a Praga de Justiniano foi um surto da peste bubônica que atingiu o Império Bizantino e as cidades portuárias do Mediterrâneo, matando até 25 milhões de pessoas em seu longo ano de terror. Considerada como o primeiro incidente registrado da Peste Bubônica, a Peste de Justiniano deixou sua marca no mundo, matando até um quarto da população do Mediterrâneo Oriental e devastando a cidade de Constantinopla, onde em seu auge estava matando uma estimativa de 5.000 pessoas por dia e, eventualmente, resultou na morte de 40% da população da cidade.

A Peste Negra (1346-1353)

  • Número de mortos: 75 - 200 milhões
  • Causa: Peste bubônica

De 1346 a 1353, um surto de peste devastou a Europa, África e Ásia, com um número estimado de mortes entre 75 e 200 milhões de pessoas. Pensa-se que se originou na Ásia, a Peste provavelmente saltou continentes através das pulgas que viviam nos ratos que tão freqüentemente estavam a bordo de navios mercantes. Os portos, que eram os principais centros urbanos da época, eram o local ideal para ratos e pulgas, e assim a bactéria insidiosa floresceu, devastando três continentes.

Terceira Pandemia de Cólera (1852-1860)

  • Número de mortos: 1 milhão
  • Causa: Cólera

Geralmente considerada a mais mortal das sete pandemias de cólera, o terceiro maior surto de cólera no século XIX durou de 1852 a 1860. Como a primeira e a segunda pandemia, a Terceira Pandemia de Cólera se originou na Índia, se espalhando pelo delta do rio Ganges antes de atravessar a Ásia, Europa, América do Norte e África e acabar com a vida de mais de um milhão de pessoas. O médico britânico John Snow, enquanto trabalhava em uma área pobre de Londres, acompanhou os casos de cólera e conseguiu identificar a água contaminada como meio de transmissão da doença. Infelizmente, no mesmo ano de sua descoberta (1854) caiu como o pior ano da pandemia, em que 23.000 pessoas morreram na Grã-Bretanha.

Pandemia de Gripe (1889-1890)

  • Número de mortos: 1 milhão
  • Causa: gripe

Originalmente, a "gripe asiática" ou "gripe russa", como era chamada, acreditava-se que essa gripe fosse um surto do vírus da gripe A subtipo H2N2, embora descobertas recentes tenham encontrado a causa: o vírus da gripe A subtipo H3N8. Os primeiros casos foram observados em maio de 1889 em três locais distantes, Bukhara na Ásia Central (Turquestão), Athabasca no noroeste do Canadá e Groenlândia. O rápido crescimento populacional do século XIX, especificamente nas áreas urbanas, apenas ajudou a propagação da gripe e, em pouco tempo, o surto se espalhou pelo mundo. Embora tenha sido a primeira epidemia verdadeira na era da bacteriologia, muito foi aprendido com ela. No final, a pandemia de gripe de 1889-1890 matou mais de um milhão de pessoas.

Sexta Pandemia de Cólera (1910-1911)

  • Número de mortos: 800.000+
  • Causa: Cólera

Como as cincogerações anteriores, a Sexta Pandemia de Cólera se originou na Índia, onde matou mais de 800.000, antes de se espalhar para o Oriente Médio, Norte da África, Europa Oriental e Rússia. A Sexta Pandemia de Cólera também foi a fonte do último surto de cólera nos Estados Unidos (1910-1911). As autoridades de saúde americanas, tendo aprendido com o passado, procuraram rapidamente isolar os infectados e, no final, apenas 11 mortes ocorreram nos EUA. Em 1923, os casos de cólera foram reduzidos drasticamente, embora ainda fosse maior na Índia.

Pandemia de Gripe (1918)

  • Número de mortes: 20 a 50 milhões
  • Causa: gripe

Entre 1918 e 1920, um surto de gripe perturbadoramente fatal atingiu o mundo, infectando mais de um terço da população mundial e terminando a vida de 20 a 50 milhões de pessoas. Dos 500 milhões de pessoas infectadas na pandemia de 1918, a taxa de mortalidade foi estimada em 10% a 20%, com até 25 milhões de mortes apenas nas primeiras 25 semanas. O que separou a pandemia de gripe de 1918 de outros surtos de gripe foram as vítimas; onde a gripe sempre havia matado apenas jovens e idosos ou pacientes já enfraquecidos, ela começou a atacar jovens adultos fortes e completamente saudáveis, deixando crianças e aqueles com sistema imunológico mais fraco ainda vivos.

Gripe Asiática (1956-1958)

  • Número de mortos: 2 milhões
  • Causa: gripe asiática

A gripe foi um surto de pandemia da gripe A do subtipo H2N2, que se originou na China em 1956 e durou até 1958. Em sua longa tragetória de dois anos, a gripe asiática viajou da província chinesa de Guizhou para Cingapura, Hong Kong e Estados Unidos. As estimativas para o número de mortes da gripe asiática variam dependendo da fonte, mas a Organização Mundial da Saúde estima a contagem final em aproximadamente 2 milhões de mortes, 69.800 somente nos EUA.

Pandemia de Gripe (1968)

  • Número de mortes: 1 milhão
  • Causa: pandemia de gripe da categoria 2 da gripe A

Às vezes chamada de "gripe de Hong Kong", a pandemia de gripe de 1968 foi causada pela cepa H3N2 do vírus Influenza A, uma ramificação genética do subtipo H2N2. Desde o primeiro caso relatado em 13 de julho de 1968 em Hong Kong, foram necessários apenas 17 dias para que os surtos do vírus fossem relatados em Cingapura e no Vietnã, e em três meses se espalhou para as Filipinas, Índia, Austrália, Europa e Estados Unidos. Unidos. Embora a pandemia de 1968 tenha uma taxa de mortalidade comparativamente baixa (0,5%), ainda resultou na morte de mais de um milhão de pessoas, incluindo 500.000 residentes de Hong Kong, aproximadamente 15% da sua população na época.

Pandemia de HIV / AIDS (no auge, 2005-2012)

  • Número de mortes: 36 milhões
  • Causa: HIV / AIDS

Identificado pela primeira vez na República Democrática do Congo em 1976, o HIV / AIDS realmente provou ser uma pandemia global, matando mais de 36 milhões de pessoas desde 1981. Atualmente, existem entre 31 e 35 milhões de pessoas vivendo com HIV, a grande maioria delas está na África Subsaariana, onde 5% da população está infectada, aproximadamente 21 milhões de pessoas. À medida que a conscientização cresce, novos tratamentos foram desenvolvidos para tornar o HIV muito mais gerenciável e muitos dos infectados passam a levar uma vida produtiva. Entre 2005 e 2012, as mortes globais anuais por HIV / AIDS caíram de 2,2 milhões para 1,6 milhões.

Sobre o Coronavírus

Infelizmente, nosso mundo vive novamente uma pandemia, e isso é assustador. O Coronavírus chegou no Brasil no final de fevereiro, e neste momento vemos um número crescente de casos, especialmente nos grande centros urbanos, como São Paulo, Rio de Janeiro e Salvador.

E não tem jeito, a única forma de nos precavermos e manter a epidemia sobre controle é o resguardo social, ou seja, ficar em casa. Evite ao máximo sair da sua residência. Além disso, evite aglomerações de qualquer tipo. Mantenha os cuidados, como a higiene das mãos e a etiqueta da tosse, ou seja, sempre cubra sua boca com o antebraço ou cotovelo. Esperamos que em breve possamos comemorar o fim dessa pandemia!

Siga nossas redes sociais