As 10 estrelas mais impressionantes já descobertas

Além de serem corpos celestes muito importantes para o universo, as estrelas são fascinantes. Observar as estrelas em um local com pouca luz pode ser uma das coisas mais maravilhosas que existem.

Por Cássio Coelho

Além de serem corpos celestes muito importantes para o universo, as estrelas são fascinantes. Observar as estrelas em um local com pouca luz pode ser uma das coisas mais maravilhosas que existem. Normalmente, pensamos nas estrelas como enormes esferas luminosas, formadas por hidrogênio e gás hélio. Entretanto, não é bem assim, existem estrelas espetaculares e estranhas, muito diferentes do que estamos acostumados a pensar. Neste artigo, você vai conhecer as 10 estrelas mais impressionantes já descobertas.

As 10 estrelas mais impressionantes já descobertas

10. Vega, a estrela-ovo

A Vega (também conhecido como Alpha Lyrae ou Alpha Lyr) é uma estrela em formato de ovo, que está localizada a 25 anos-luz de distância de nós. É uma das estrelas mais populares, pois, os astrônomos costumam estudá-la até mais do que o nosso próprio Sol. A Vega tem uma forma estranha por causa de sua velocidade de rotação super rápida. Esta estrela é tão rápida que completa uma rotação em seu eixo em apenas 12,5 horas. Nosso Sol completa o mesmo em 27 dias.

vega

9. Duas estrelas se fundindo

Mais de uma década atrás, os astrônomos descobriram uma estrela massiva na constelação de Camelopardalis, a 13.000 anos-luz da Terra. Eles chamaram o sistema de MY Camelopardalis. Originalmente, acreditava-se que se tratava de apenas uma estrela massiva. Mas os astrônomos logo perceberam que estavam olhando para duas estrelas massivas orbitando-se de perto. As duas parceiras completam órbitas entre si em apenas 1,2 dias. A estrela maior tem uma massa 38 vezes a do Sol, enquanto a menor tem uma massa 32 vezes a do Sol. Os astrônomos mais tarde perceberam que as duas estrelas deverão se chocar um dia e se transformar em uma gigantesca estrela com uma massa 60 vezes maior que a do Sol. As atmosferas das estrelas já estão interagindo. Isso continuará até que os núcleos estelares finalmente se fundam em um. Os astrônomos não sabem exatamente o que acontecerá quando isso ocorrer. No entanto, eles especulam que a fusão criará uma grande explosão que deverá liberar energia massiva.

my

8. SAO 206462, a estrela com braços

A estrela SAO 206462 possui dois braços em espiral. Ela está na constelação de Lúpus ("Lobo") a cerca de 460 anos-luz da Terra. A estrela é cercada por um disco circunstelar muito amplo, feito de poeira e gás. Esse disco é quase duas vezes a largura da órbita de Plutão. Os astrônomos sabem que braços em espiral podem se desenvolver em torno de uma estrela quando novos planetas estão se materializando dentro de seu disco. De fato, eles pensam que os dois braços espirais foram formados por dois novos planetas que estão se desenvolvendo dentro do disco.

sao

7. CFBDSIR 1458 + 10B

Sabemos que as estrelas são incrivelmente quentes. Por exemplo, nosso Sol tem uma média de 5.500 graus Celsius na fotosfera. No entanto, existe uma estrela com apenas 100 graus Celsius. Esse é o ponto de ebulição da água, que é muito fria para uma estrela. Mas essa é a temperatura da CFBDSIR 1458 + 10B. Esta anã marrom está a 75 anos-luz da Terra no sistema binário CFBDSIR 1458 + 10. Um sistema binário possui duas estrelas que se orbitam. A massa de uma anã marrom cai entre a de um planeta gigante e uma pequena estrela. É grande demais para ser chamado de planeta, mas pequena demais para ser considerada uma estrela real. As anãs marrons são consideradas estrelas fracassadas, pois, não possuem massa suficiente para que a gravidade cause fusão nuclear, e é assim que as estrelas produzem luz e calor. Mesmo assim, a CFBDSIR 1458 + 10B é muito fria para uma anã marrom.

As temperaturas das anãs marrons mais conhecidas costumam estar entre 177 e 327 graus Celsius, o que ainda é consideravelmente mais quente que os 100 graus Celsius da CFBDSIR 1458 + 10B. Os astrônomos acreditam que as condições na CFBDSIR 1458 + 10B são mais parecidas com as de um planeta grande do que as de uma anã marrom comum. Eles até acham que essa anã marrom fria pode ter nuvens que contêm água.

cfb

6. A estrela que se tornou um planeta com diamantes

É extremamente raro uma estrela se transformar em um planeta, mais raro ainda, é se esse planeta for coberto por diamantes. Mas uma estrela sem nome fez exatamente isso. Os astrônomos descobriram a estrela que virou planeta quando receberam alguns sinais pulsares em nossa Via Láctea. Sinais pulsares são ondas de rádio e radiação liberada por estrelas de nêutrons de rotação rápida, que são os núcleos colapsados ​​de estrelas gigantes mortas. Eles descobriram que algo estava errado, pois, o giro do pulsar parecia ser afetado pela gravidade. Esse tipo de rotação só poderia acontecer se um exoplaneta estivesse orbitando o pulsar. De fato, os astrônomos detectaram um exoplaneta orbitando rapidamente o pulsar a curta distância. O exoplaneta também tinha uma massa muito grande (como a de Júpiter), embora fosse apenas cinco vezes maior que a Terra. No começo, isso não fazia o menor sentido.

Um exoplaneta que orbita perto de uma estrela de alta gravidade não deve ter uma massa tão grande que seja tão bem compactada. Os astrônomos logo descobriram que o exoplaneta já fora uma estrela que fazia parte de um sistema binário. O pulsar era a segunda estrela, e os dois orbitaram um ao outro. No entanto, as estrelas acabaram queimando seu combustível e chegaram tão perto que a maior arrancou o assunto da estrela menor. O resultado foi um planeta frio que orbita um pulsar. No entanto, há beleza na destruição. Os astrônomos acreditam que o planeta sem fusão é composto de carbono cristalino, o mesmo material que compõe os diamantes.

5. A estrela dentro de outra estrela

Um objeto Thorne-Zytkow (TZO) refere-se a uma estrela que está dentro de outra estrela. O objeto recebeu o nome do físico Kip Thorne e da astrônoma Anna Zytkow. Juntos, eles propuseram a existência dessa estrela em 1975. Thorne e Zytkow disseram que os TZOs são formados quando uma estrela de nêutrons é consumida por uma estrela super gigante vermelha. Como mencionado anteriormente, uma estrela de nêutrons é o núcleo colapsado de uma estrela gigante morta. Uma supergigante vermelha é uma estrela antiga que está quase sem hidrogênio, um elemento muito importante e necessário para criar luz e calor. As super gigantes vermelhas são as maiores estrelas do universo e podem atingir até 2.000 vezes o tamanho (em diâmetro) do Sol.

Em 2014, os astrônomos acreditavam ter encontrado um TZO, chamado HV 2112. A estrela estava em uma galáxia anã a 199.000 anos-luz de distância da Terra. O HV 2112 se assemelha a uma supergigante vermelha muito brilhante. No entanto, é considerado um TZO porque contém grandes quantidades de alguns elementos que não são liberados por super gigantes vermelhos típicos.

hv

4. Kepler 11145123

Muitas vezes pensamos que planetas e estrelas são redondos, mesmo que não sejam. Eles são realmente mais largos ao longo de seus equadores devido à força centrífuga que ocorre quando eles giram. A cerca de 5.000 anos-luz da Terra está a Kepler 11145123, uma estrela que é o objeto natural mais redondo que existe atualmente. Normalmente, quanto mais rápida a rotação, mais larga a estrela ou o planeta está no equador. A Terra não é perfeitamente redonda. O Sol e a estrela Kepler 11145123 também não são. No entanto, a Kepler 11145123 chega bem perto disso. A Terra é 21 km mais larga em seu equador do que em seus pólos. Usando essa mesma medida relativa, o Sol é cerca de 10 km mais largo e a Kepler 11145123 é apenas 6 km mais largo. Isso é impressionante, porque a Kepler 11145123 tem o dobro do tamanho do Sol.

kepler

3. EBLM J0555-57Ab

Antes de falarmos sobre a EBLM J0555-57Ab, vamos explicar algumas coisas sobre Saturno. Para se ter uma ideia de seu tamanho, 764 Terras poderiam ser colocadas dentro de Saturno. Levando em conta essas informações, os astrônomos descobriram uma estrela do tamanho de Saturno. Essa estrela é EBLM J0555-57Ab, que está a 600 anos-luz de distância da Terra. Esta estrela não teria pressão interna suficiente para que a fusão nuclear ocorresse se fosse menor. Lembrando que a fusão nuclear é como as estrelas produzem calor e luz. Esse tamanho é adequado para atender aos requisitos mínimos de massa para fusão nuclear em uma estrela. Se fosse um pouco menor, esta estrela já seria considerada uma anã marrom fracassada.

elbm

2. Sistema Epsilon Lyrae

O sistema de estrelas múltiplas Epsilon Lyrae fica a 160 anos-luz da Terra. Ele parece um sistema binário em que duas estrelas estão orbitando uma à outra. Mas, examinando mais de perto, cada uma dessas estrelas é um binário em si. Em outras palavras, são realmente duas estrelas orbitando uma à outra. Cada par também orbita o outro par. Como resultado, o sistema contém dois binários dentro de um binário (também conhecido como "O duplo duplo"). Da Terra, cada par estelar parece tão próximo que podemos confundir as duas estrelas em cada conjunto para uma única estrela. Isso acontece mesmo que essas estrelas individuais estejam tão distantes que demorem cerca de 1.000 anos para completar uma única órbita em torno da outra em seu par estelar. Os próprios binários também estão distantes. A distância entre os dois conjuntos é 10.000 vezes o intervalo entre a Terra e o Sol. Os binários exigem cerca de 500.000 anos para concluir uma única revolução entre si. Curiosamente, os astrônomos descobriram uma quinta estrela que orbita um dos pares estelares. Esses cientistas espaciais também acreditam que outras estrelas não descobertas estão orbitando no Epsilon Lyrae. Ao todo, os astrônomos acreditam que o sistema envolve 10 estrelas.

epyslon

1. Mira, a estrela com cauda

Quando se fala em espaço e caudas, a primeira coisa que vem a mente, são os cometas. Entretanto, a Mira ("Maravilhosa") é uma ótima novidade quanto a isso. Esta estrela binária está na constelação de Cetus a 350 anos-luz da Terra. Enquanto uma das estrelas é uma gigante vermelha chamada Mira A, a outra estrela é uma anã branca chamada Mira B. Uma gigante vermelha é uma estrela moribunda, enquanto uma anã branca é uma estrela morta. Os astrônomos detectaram as estrelas enquanto observavam o universo sob luz ultravioleta. Eles descobriram que algum cometa havia deixado uma cauda de 13 anos-luz. Isso é 20.000 vezes a distância média entre Plutão e o Sol. No entanto, eles logo descobriram que a cauda estava realmente vindo da gigante vermelha Mira A. A cauda está lançando vários elementos, incluindo carbono e oxigênio, o que poderia criar novos sistemas solares. A Mira libera esses elementos há mais de 30.000 anos.

mira

Então, o que achou das 10 estrelas mais impressionantes já descobertas?

Comentários
Minha foto
    Siga nossas redes sociais