10 Mitos sobre o espaço que assistimos nos filmes

O espaço é algo que sempre fascinou o ser humano, tanto é verdade, que ele está sempre sendo usado como pano de fundo para diversos filmes e produções de ficção científica que assistimos por aí.

Por Cássio Coelho

O espaço é algo que sempre fascinou o ser humano, tanto é verdade, que ele está sempre sendo usado como pano de fundo para diversos filmes e produções de ficção científica que assistimos por aí. Com as novas tecnologias, os filmes sobre o espaço podem ser retratados de maneira ainda mais realista, deixando a todos impressionados. Entretanto, apesar dessas excelentes produções de Hollywood, existem muitos erros em relação ao espaço na vida real. Provavelmente, são erros feitos de propósito, que muitas vezes são usados para dar o efeito dramático e deixar os espectadores impressionados. Esses erros podem ter feito com que a maioria das pessoas tivessem uma impressão errada sobre o que ocorre de fato no espaço. Neste artigo, você vai poder conferir 10 mitos sobre o espaço que assistimos nos filmes.

10 Mitos sobre o espaço que assistimos nos filmes

10. Explosões no espaço

Não há dúvida de que ver uma enorme explosão espacial em uma grande tela de alta definição é fascinante. Entretanto, se essas explosões podem ocorrer ou não cientificamente, é outra questão. As explosões na Terra, as quais inspiram a maioria dos filmes, têm a mesma aparência por causa do ar e da gravidade. O ar funciona como um oxidante, e a pressão externa da explosão faz com que a explosão voe para o exterior e desmorone de volta ao solo. Explosões no espaço, provavelmente, seriam muito diferentes e também muito mais impressionantes do que isso. Haveria algum fogo apesar da falta de ar, já que alguns tipos de combustíveis podem atuar como oxidantes, embora não seja como o fogo que conhecemos. Esse fogo pareceria uma bola de luz em expansão contínua devido à microgravidade e falta de resistência do ar. Também seria perigoso para as naves espaciais próximas, pois os estilhaços continuariam se expandindo para fora até que algo parasse.

exp

9. Buracos negros engolem tudo

Buracos negros são retratados nos filmes como vórtices de destruição, que nada ao redor consegue escapar, é assim que a maioria de nós os imagina. Entretanto, não é bem assim que funciona, eles não são diferentes de qualquer outro corpo celeste no universo, pois sua atração é diretamente proporcional à sua massa. Ou seja, os buracos negros não podem atrair nada além do que seu tamanho permite. Se nosso Sol fosse de alguma forma substituído por um buraco negro tão grande quanto ele, absolutamente nada mudaria no sistema solar, pelo menos gravitacionalmente falando, pois o Sol é importante em outras áreas. Embora seja verdade que um buraco negro devore tudo perto do seu horizonte, ele teria apenas um efeito gravitacional normal em coisas fora desse raio.

bura

8. O cinturão de asteróides é denso e cheio de rochas

Os planetas internos e externos do sistema solar são separados por algo chamado cinturão de asteróides. Como o nome deixa claro, é um anel de asteróides e outros detritos que giram em torno do Sol, e os diretores sempre fizeram questão de utilizá-los em seus filmes. Geralmente, eles mostram que o cinturão é uma área com nuvens densas de rochas pelas quais você precisa manobrar habilmente para chegar ao outro lado. Se é assim que você sempre imaginou o cinturão de asteróides, lamentamos informar que você foi enganado. O céu de um asteróide no cinturão se pareceria muito com o céu da Terra por causa das distâncias sobre as quais estamos falando. Para qualquer espaçonave que passa por ele, há muito pouca chance de uma colisão, pois os asteróides estão muito espaçados e distantes um do outro.

cinturon

7. Tudo sobre a guerra espacial

É comum que os diretores retratem as guerras espaciais com base no que acontece na Terra, pois é o único modelo que temos como referência. As guerras espaciais se parecem muito com brigas de que assistimos em filmes sobre a Segunda Guerra Mundial, com as naves espaciais batalhando como os caças da terra. Embora essas batalhas pareçam impressionantes, elas não se baseiam na realidade científica. A guerra espacial real provavelmente não se pareceria nada com os filmes, com navios de combate projetados para evitar a descompressão e resistir à radiação em mente, em vez da aerodinâmica. Embora a estratégia geral do campo de batalha da guerra terrestre ainda se aplique, o envolvimento ainda funcionaria da mesma maneira e as manobras em uma batalha espacial real seriam estranhos para quem cresceu assistindo Star Wars.

6. O sol é amarelo porque está queimando

Apesar de ser o principal responsável pela vida na Terra, a maioria de nós ainda não entende como o Sol realmente funciona. Assumimos que é de cor amarela, possivelmente porque achamos que está queimando, e é assim que o fogo se parece. Isso significa que também não entendemos o que faz o Sol produzir tanto calor. Por um lado, o Sol não é amarelo, mas a atmosfera terrestre faz com que ele pareça assim. A luz solar é de cor branca pura. Mais importante, o Sol não está queimando, pelo menos não da maneira como entendemos a palavra. Em vez de um fogo eterno, o calor do Sol provém das reações de fusão de várias moléculas em seu núcleo.

sol

5. Os planetas sempre circulam seus sóis estacionários

Quando pensamos nos vários sistemas solares ao redor do universo, os imaginamos exatamente como os nossos. Há uma estrela estacionária no centro e, dependendo se o sistema possui planetas, vários corpos celestes girando em torno dela em círculos, independentemente de seus tamanhos. Embora isso seja praticamente verdade para nossa vizinhança cósmica, em um sistema solar com mais de um planeta do tamanho de, digamos, Júpiter (ou maior), a rotação deles pareceria muito diferente, e você provavelmente veria a estrela em algum tipo de movimento também. A gravidade é uma força de mão dupla, então a Terra está puxando o Sol, e o Sol está nos puxando. Nós simplesmente não percebemos isso porque o efeito gravitacional da Terra é insignificante em comparação com o Sol, embora esse não seja o caso de planetas maiores. No caso de Júpiter e o Sol, eles realmente orbitam em torno de um ponto no espaço além da superfície do Sol. Esse efeito seria ainda mais pronunciado para sistemas com muitos planetas gigantescos como Júpiter. Não é assim que geralmente imaginamos todos os sistemas solares do universo.

4. Feixes de laser visíveis

As armas a laser fazem parte da maioria dos filmes de ficção científica. Agora que estamos perto de vê-los sendo usados ​​no campo de batalha, a maioria das pessoas ficaria desapontada ao descobrir que não são como nos filmes. Em essência, um feixe de laser é uma explosão concentrada de energia que poderia ser empregada para várias funções no campo de batalha. Ao contrário dos filmes, porém, os raios laser da vida real seriam completamente invisíveis no espaço (a menos que entrem diretamente nos seus olhos), pois não deve haver partículas por perto para espalhar a luz.

3. Leveza

Acredita-se amplamente que você não tem peso no espaço, o que parece uma suposição sensata, pois não há gravidade por lá. Muitos filmes e obras de ficção dão credibilidade a ele, e há muitos vídeos de pessoas flutuando no espaço, sugerindo que elas são, de fato, sem peso. Embora seja verdade que muitos astronautas sentem falta de peso no espaço, é apenas quando você está em órbita em torno de um corpo maior. Isso acontece na Estação Espacial Internacional (ISS), por exemplo. Fora isso, você está sempre sob a influência da gravidade de algum lugar, por mais fraco que seja. Você nunca está verdadeiramente sem peso no espaço, a menos que esteja em uma queda perpétua ao redor de um planeta ou outro corpo celeste, como é o caso da ISS. Não sabemos ao certo por que os filmes ainda tratam todo o espaço como uma zona livre de gravidade, pois a gravidade está presente em todo lugar no espaço.

leve

2. Som no espaço

A idéia de que você pode ouvir sons de explosões no espaço se deve em grande parte aos filmes de ficção científica do século passado. Não é verdade, o som simplesmente não pode viajar no espaço devido à falta de ar e moléculas vibrantes. Também devemos ser gratos por isso, porque, se pudesse, sempre poderíamos ouvir os sons do universo, como a constante explosão termonuclear que ocorre no nosso Sol. Um dos filmes que conseguiu acertar neste ponto foi 2001: Uma Odisséia no Espaço, de Stanley Kubrick. Mas isso trata-se de uma exceção, pois a maioria dos filmes peca neste sentido.

1. Nada no universo pode ir mais rápido que a velocidade da luz

A velocidade da luz é considerada uma barreira definitiva para a humanidade, pois geralmente é considerada intransitável. Todo tipo de teoria gira em torno de como será chegar a isso, mas nenhuma de nossas equações explica isso. Por acaso, sabemos que pelo menos uma coisa no universo é mais rápida que a velocidade da luz: a taxa de sua expansão. Para surpresa dos cientistas e observadores, o universo se expandiu mais rápido que a velocidade da luz, embora não seja é algo que entendemos muito bem. A taxa de sua expansão também é proporcional à distância de algo. Quanto mais longe estiver de nós, mais rápido se afastará. Isso não é tudo e há provas científicas, ainda que teóricas, de partículas que poderiam viajar mais rápido que a velocidade da luz, embora ainda não as tenhamos encontrado na realidade. Muitos cientistas acreditam que há mais coisas por aí que poderiam desafiar a barreira da luz.

luz

Então, o que achou do artigo?

Comentários
Minha foto
    Siga nossas redes sociais